Associação dos Produtores e Comerciantes de Sementes e Mudas do Rio Grande do Sul

Quinta-feira, 15/11/2018. Boa tarde. Seja Bem-vindo(a)!

Bolsa de Sementes

Consulte aqui a disponibilidade de sementes de nossos associados.

Legislação

Consulte aqui a legislação sementes/agrícola.

Associados

Área Restrita.

Esqueceu a senha?

Cuidados que podem garantir uma boa safra - 21/08/2012

É nesta época do ano que se intensificam os trabalhos de preparo para a semeadura dos grãos de verão – milho, soja, feijão e arroz – no Rio Grande do Sul. O plantio do milho já teve início nas áreas mais quentes do Estado. Já a soja e o arroz serão semeados a partir do mês de outubro. Para que todo trabalho e investimento feitos agora não sejam perdidos depois, os agricultores devem tomar alguns cuidados e atentar-se a algumas práticas, necessárias para garantir o sucesso da safra.

Conforme o assistente técnico estadual em Solos da Emater/RS-Ascar, Edemar Streck, é primordial que o produtor se informe sobre o comportamento do clima previsto para o ciclo da cultura ou durante o ano. “A previsão de muita ou pouca chuva determinará as ações e cuidados a serem tomadas neste momento. Por exemplo, se está previsto um bom volume de chuvas, o produtor deve reforçar as práticas conservacionistas e também executar práticas mecânicas de contenção de enxurradas para evitar as perdas de solo, água, fertilizantes e sementes por erosão, como o terraço, a manutenção da cobertura do solo, o plantio em nível e a rotação de culturas”, explica Streck.

“O risco de erosão é maior quando a semeadura é realizada no sentido do declive, favorecendo escoamento da água pelo sulco das semeadoras, carregando sementes e fertilizantes”, completa o assistente técnico da Emater/RS-Ascar em Solos. Ainda conforme Streck, as práticas conservacionistas também são recomendadas para períodos de déficit hídrico, pois reduzem as perdas de água por evaporação, melhoram a estrutura e a infiltração de água no solo.

Segundo informações da Fundação Estadual de Pesquisa Agropecuária (Fepagro), o Rio Grande do Sul deverá sofrer a influência do fenômeno El Niño a partir do mês de setembro, o que significa um volume de chuvas dentro da normalidade ou até mesmo acima do normal. “Até o momento, o Estado apresenta precipitações abaixo do esperado. Por enquanto, não estamos indicando que o produtor antecipe o plantio. A recomendação é que o agricultor prepare o solo e inicie o plantio quando a umidade for satisfatória”, explica a agrometeorologista da Fepagro Loana Cardoso.

Para a cultura da soja, o importante neste momento é realizar o controle de plantas daninhas resistentes a herbicidas, principalmente a buva, conforme explica o engenheiro agrônomo da Emater/RS-Ascar Alencar Paulo Rugeri. “A melhor maneira de evitar a proliferação desta planta daninha é ter o solo coberto. Recomenda-se em torno de cinco toneladas de palha por hectare”, destaca Rugeri. Já para a cultura do milho, segundo Rugeri, é fundamental preparar bem o solo, realizando a dessecação das áreas a serem semeadas. “Se os produtores não tiverem atenção com esta prática, os custos aumentarão e a produtividade das lavouras será prejudicada”. Rugeri alerta que o milho, ao contrário da soja, não é uma cultura tão flexível. “Se o produtor não tiver uma boa ‘arrancada’ agora, com um bom stand e uma distribuição uniforme das plantas, não terá o retorno desejado”, ressalta.

Para os orizicultores, a recomendação é que aproveitem o tempo seco para prepararem o solo, realizando a drenagem, a limpeza de canais e a sistematização das áreas. “A previsão do fenômeno El Niño, que pode trazer chuvas ao Estado nos próximos meses, poderá atrapalhar o plantio e atrasar a produção”, alerta o assistente técnico estadual em Irrigação da Emater/RS-Ascar, José Enoir Daniel.

Ainda conforme Daniel, em algumas regiões onde se planta arroz pelo sistema pré-germinado, os quadros já estão sendo inundados para o início plantio no mês de setembro. Produtores que dependem de água de açudes para começar o plantio devem aguardar a recuperação desses mananciais para a tomada de decisão da área a ser plantada. “Hoje, a capacidade armazenada de água nos açudes é de apenas 35%. Como 47% da irrigação de arroz vêm de açudes, cerca de 300 mil hectares têm que esperar a recuperação desses manaciais”, destaca Daniel.

Fonte: Emater/RS - Ascar

Rua Apassul, 10, Bairro São Geraldo
Passo Fundo - Rio Grande do Sul - CEP 99025-130
Fone: (54) 3314-1799 / Fax: (54) 3314-6123
apassul@apassul.com.br